(Excerto)

Posted on Julho 29, 2012 por

0


Não quero estar para aqui com a presunção que seria necessária para afirmar sem ter vergonha que fomos feitos um para o outro, porque me fica mal. Com a presunção vinham as palavras que nem eu quereria ler quando acabasse, porque metade iria ser mais fruto do êxtase deste momento do que da razão, e ia estar a ser mau para ti – e para nós – sem o mereceres.

Fotografia original: José Sena Goulão

Acabou a cena e fui a correr à tua procura, para te dizer o que tinha acabado de ver, de ouvir, de ler, de viver. Sei lá, para meter conversa. Podia estar só a tentar meter conversa,

podia estar só a tentar que amanhã, quando acordasses, ainda te lembrasses de mim,

é que já nem sei, porque correu tudo ao contrário.

a

Fotografia original: José Sena Goulão

Posted in: Correspondência